logo.gif









Biogênese e Abiogênese
No século XVIII, as pessoas passaram a duvidar de que os seres vivos haviam sido criados de forma espontânea ou por criação divina. Durante o século XIX, com os experimentos de Louis Pasteur (1822-1895), refutaram a teoria de geração espontânea e outras teorias sobre a evolução humana. A maioria da população acreditava que os seres surgiam e desconheciam a reprodução. Essa fase recebeu o nome de Teoria da Geração Espontânea ou Teoria da Abiogênese.

terra.jpgVários filósofos e cientistas como René Descartes, Aristóteles e Isaac Newton, apoiavam essa teoria. Para Aristóteles, os seres vivos surgiam por meio da matéria não viva e geravam descendentes parecidos em todas as gerações. Um médico chamado Jan Baptista van Helmont (1577-1644) chegou a escrever uma receita de como obter certos animais de forma espontânea. Com o conhecimento adquirido pela ciência, foram surgindo ideias contrárias a essas. Passou a ganhar força a ideia de reprodução entre os seres vivos, surgindo a biogênese.

Experimento de Redi


O médico italiano Francesco Redi (1626-1697) realizou experimentos no século XVII para explicar a origem da vida na terra. Para ele, os vermes que surgiam nos cadáveres humanos eram o princípio do ciclo de vida das moscas. O médico afirmava que eles surgiam por meio dos ovos que eram depositados pelas moscas e não por um processo de geração espontânea. O que se pensava anteriormente era de que a carne putrefata transformava-se em
vermes.
 
Redi escreveu um livro chamado Experimentos Sobre a Geração de Insetos (Experiments circa generationem insectorum) e lá relatou seu experimento com larvas. Seus estudos foram baseados no poema épico Ilíada (poema provavelmente escrito por Homero na Grécia durante o século VIII e IX). Isso pode explicar que os gregos já sabiam da existência de larvas que surgiam em ovos colocados nos cadáveres.

Sua teoria foi testada por meio de um experimento onde foram colocados cadáveres de animais em dois frascos. Um deles era vedado por uma gaze fina e o outro não. No frasco que se manteve aberto, os vermes surgiram rapidamente e o que estava protegido pela gaze, permaneceu sem eles.

Louis Pasteur

Em 1860, a Academia Francesa de Ciências ofereceu um prêmio para quem conseguisse exemplificar a origem dos micro-organismos. Pasteur resolveu realizar uns procedimentos utilizando quatro frascos cheios de um caldo nutritivo. Os gargalos desses frascos foram alterados para que ficassem parecidos com o pescoço de um cisne. Posteriormente, os caldos foram aquecidos  até o momento em que o vapor chegasse aos gargalos. Ele optou por esfriar o caldo, pois as partículas que ficaram suspensas no ar, ficariam presas nas paredes desse gargalo que funcionava como um filtro.

Apesar do contato com o ar, os frascos não desenvolveram micro-organismos. Ou seja, os micro-organismos não conseguiram atingir o caldo porque ficaram presos em seu bico. Ao quebrar um dos gargalos, o cientista percebeu que esses pequenos organismos surgiram rapidamente. Era a prova final contra a hipótese de geração espontânea.

Seres Vivos


Com a teoria da abiogênese, surgiu a teoria de que um ser vivo só nasce com a ajuda de um semelhante e, por isso, apareceu a dúvida de como surgiu o primeiro. A primeira explicação foi através dos cosmozoários, micro-organismos do espaço cósmico; porém, essa ideia não possui fundamentos.  Foi proposta por Alexander Oparin, em 1936, uma explicação para a origem da vida.

Ele não conseguiu realizar um experimento para comprovar sua hipótese; porém, Stanley Miller, cientista da Universidade de Chicago, realizou, em 1953, uma experiência para comprovar o que havia sido pensado por Oparin. Ele criou em um balão de vidro as mesmas condições que haveria na terra primitiva e aqueceu por um longo período. Periodicamente, uma descarga elétrica atingia os gases e ele verificou que começaram a surgir moléculas de aminoácidos. Ele comprovou que era possível o surgimento de determinados compostos com a manipulação das condições do ambiente.
 
Em 1957, Sidney Fox, realizou uma experiência onde aminoácidos secos eram aquecidos por um longo período. Ele verificou que eles formavam cadeias peptídicas e que ocorria a formação de pequenas moléculas de proteínas.

sistema-solar.jpgHipótese de Oparin

-Primitivamente existiam amônia, hidrogênio, vapor de água e metano;

-Esses gases fundiram-se graças aos raios ultravioletas e as descargas elétricas e geraram aminoácidos flutuantes na atmosfera;
 
-Com o excesso de umidade, as chuvas ocorriam constantemente e os aminoácidos ficavam no solo;

-Com o aquecimento, esses aminoácidos se uniram e formaram as proteínas;

-As proteínas foram para os mares formando algo parecido com uma sopa;

-Nos mares, essas proteínas formavam coloides que, consequentemente faziam surgir os coacervados;

-Esses coacervados eram organizados e separados por uma membrana que continham lipídios e proteínas. Era o surgimento das células primitivas;

-Há cientistas que acreditam que na atmosfera primitiva havia, ainda, o monóxido de carbono, dióxido de carbono, vapor de água e nitrogênio das moléculas.


Origem da Vida
Biogênese e Abiogênese
Evolucionismo
Criacionismo
Teorias Modernas
Fale Conosco
Mapa do Site